Páginas

30.11.09

nuvens coloridas


noite de domingo e um seleto grupo de pessoas sai pra matar aquela vontade de comer. escolhem praticamente no 'discordar' o local para a atividade tão importante, e vão.

conversas sobre os mais variados temas surgem na mesa, desde debates querendo entender como 'funciona' o daltonismo até o filme do comandante da fuzarca ilustríssimo sr. presidente da república. eis que, de repente fulaninho atira a pergunta:
- se fosse fazer um filme da vida de vocês, que cenas gostariam de colocar?
neste momento as cabeças começaram a fervilhar tentando encontrar momentos interessantes para o seus filmes.
um deles responde que colocaria o dia em que a irmã nasceu. e continua a busca mental por seus momentos. o outro, depois de algum pensar diz que sua vida é normal e não teria nada pra mostrar.
então fulaninha responde:
- eu colocaria uma cena do dia que estávamos indo pra Cambará e vimos nuvens coloridas, tu lembra?
a conversa estende-se mais um pouco, a fome é saciada e o pessoal vai em direção ao caixa, quando o 'pseudo garçom chato metido a caixa e que não sabe calcular' entra em ação. vários minutos depois o grupo sai do local e, depois de terem sido passados pra trás pelo garçom, resolvem que precisam enganar alguém. o escolhido foi o cara que sempre deixa o carro 'bem cuidado'.
depois de muito rir, cada um vai pra sua casa. e fulaninha fica com a pergunta do fulaninho martelando quase como acontece quando vai à aula de filosofia.
ela eternizaria várias cenas. algumas de suas apresentações com o grupo de dança no exterior, alguns abraços, algumas lágrimas, algumas perdas, alguns ganhos, mas a cena do dia em que, inexplicavelmente, viu nuvens coloridas teria um momento especial.
foi uma ida a Cambará do Sul, estavam quase chegando e, por ser um local muito alto, diziam que estavam nas nuvens. lado a lado iam fulaninho e fulaninha, ouvindo ana carolina, quando de repente ela diz:
- olha lá (e aponta pro céu). nuvens coloridas. como pode?
naquele momento a fala da Clarice Lispector tinha total aplicação: "não tente entender. a vida ultrapassa todo o entendimento". e assim foi, não tentaram entender, só contemplaram a paisagem.
fulaninha nem lembrava mais deste momento, mas hoje por alguns minutos enchera os olhos de lágrima ao lembrar.


[*Alice começou a pensar em como será o filme de sua vida. posta aqui depois de muito tempo ao lembrar de momentos simples, porém, com grande significado caro leitor. porque seu filme provavelmente não será ao estilo 'mega produção', mas será recheado de momentinhos chamados carinhosamente de 'gotas de felicidade']

6 comentários:

Rafael disse...

pois é. momentos, acho que tantos. enfim. sem muito o que dizer, só encher os olhos de lágrimas me basta nesse momento.

amo tu!

Di disse...

momentos inacreditáveis, pessoas inesquecíveis e dias incomparáveis, seriam as principais cenas do meus filme!

Beijosamote

Di disse...

Obrigado pela ajuda!

AMOR?

Passa lá pra ver o resultado da bagunça...

;)

Fala garoto, fala garota. disse...

Nooossa, falando em nuvens coloridas, eu vi um céu todo estrelado lá em Alegrete que tu não faz ideia...

Bah, toda vida daria um filme. Até aquela vidinha mais simples... é nela que está toda a beleza.

Pra pensar!

embuscadophino disse...

Tem um filme tão legal, mas agora não lembro o nome, que tu precisa ver. É sobre a morte. Que existiria uma espécie de empresa após a morte que daria um jeito de tu eternizar um momento da tua vida que ficaria contigo pra sempre após o fim da vida. Mas pode ser só uma coisa. Tem um casal de velhinhos que escolhe ficar num balanço, curtindo. Muito louco pensar nisso. Sinceramente, não sei qual seria o meu momento a ser eternizado. De se pensar.

Bjs, Rafa

Ci disse...

Ai, droga... agora não paro de pensar nisso!