Páginas

23.2.12

foi








aqui jaz um blog. 












[sem mais para o momento fúnebre, despeço-me. pelo menos momentaneamente]

26.9.11

e são tantas metades


Que essa minha vontade de ir embora 
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro 
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso mas a outra metade é um vulcão.

[Oswaldo Montenegro]

[*alice se abstém quando mais palavras se tornam desnecessárias]

20.8.11

mas é doce quando é doce


a ana é azeda
mas é doce quando é doce
a  ana é azeda
mas muito doce quando é doce



[*qualquer semelhança não é mera coincidência]

5.8.11

caio


Endureci um pouco,
desacreditei muito nas coisas,
sobretudo das pessoas
e suas boas intenções.
Dar um rolé em cima disso não
vai ser nada fácil.
E as marcas ficarão - tatuagens.


Caio F.

29.7.11

estive pensando

faltam exatos 3 meses para completar 1/4 de século.



ainda não defini se a sensação é essa:

ou essa:

23.7.11

da série: 'bem assim'


querido Deus, até agora o meu dia foi bom:
  • não fiz fofoca;
  • não perdi a paciência;
  • não fui gananciosa, sarcástica, rabugenta, chata e nem irônica;
  • controlei minha TPM;
  • não reclamei;
  • não praguejei;
  • não gritei;
  • não tive ataques de ciúmes;
  • não comi chocolate;
  • também não fiz débitos em meu cartão de crédito, nem dei cheques pré-datados; 

mas peço a sua proteção, Senhor,  pois estou para levantar da cama a qualquer momento. amém.

19.7.11

das voltas que o mundo dá

ele te deixa acreditar que tens as rédeas da relação. se deixa enrolar. até te obedece um pouquinho. o suficiente pra relaxar e pensar que tu tem a situação na palma da mão. então, ele sorrateiramente põe as manguinhas de fora como se dissesse: "ei, quem manda aqui sou eu meu bem". e daí não tem jeito filhinha. ele realmente te dominou. é um tirano esse destino.

[*alice passa por aqui quando se dá conta de que nada saiu como o esperado aliás, onde é que anda esse esperado sem vergonha?!, porém, consegue perceber, como já diza Pessoa, que 'tudo que chega, chega sempre por alguma (e esperamos que boa) razão'.]